Diário da Peste 27

Dano Moral

Ainda há pouco, eu conversava com minha prima Alessandra ao telefone e concluímos que a adversidade (como a atual quarentena) funciona como as drogas estimulantes Potencializam o que somos.

É como o amor. Apesar de que, para mim, amor é amor quando torna melhor as pessoas que amam. Amor que atiça defeitos é outra coisa. Tesão, obrigação, oportunidade de ajuste de contas de vidas passadas, sadomasoquismo psicológico (pior do que o outro que garante, pelo menos, orgasmos), conservadorismo.

Existem pessoas, acredito, que só conseguem amar ao próximo parecido com elas. São pessoas que se apaixonam por quem não é igual, mas logo começam a tentar torcer o par, a rejeitar as diferenças. É um defeitinho aqui, uma dor de cabeça ali, para o desentendimento, a indiferença, a irritação permanente, a impotência afetiva é um pulo.

É ruim se manter relevando atitudes de hostilidade. Em qualquer terreno. No amor, na amizade, no trabalho. Quanto mais relevamos, mas damos corda aos que não suportam os diferentes.

Tanto faz se as pessoas funcionam no combate aberto ou disfarçado ao Outro porque foram mimadas ou brutalizadas. Se elas tentam impedir que o Outro pense, funcione, fale do seu próprio jeito, devem ser tratadas à distância. No amor. Na amizade.

Antes da quarentena, eu já vinha mais crítica do que o habitual aos que fazem de conta que são racionais, mas, no fundo, no fundo precisam de contenção. Talvez medicamentosa.

Na quarentena, me convenci de que o Dano Moral que essas pessoas causam não pode ficar sem resposta. Luvas de pelica estão abaixo da compreensão delas.

O que funciona mesmo é o processo por danos morais. A contenção precisa levar ao prejuízo financeiro. É verdade que isso nos obrigaria, talvez, a sair de casa com um advogado a tiracolo. Mas talvez valha a pena.

Não é irrelevante o que põe em risco nossa sanidade física ou mental.

Comecei falando de amor e agora parece que isso era só pretexto para falar de política, não é? Ledo engano. Para mim, amor às pessoas e amor ao meu país são iguais.

Últimos textos
Arquivo