Proud Mary


Sou uma pessoa muito ansiosa. Filha de ansiosos. Ex-fumante. Carente profissional. Intensa.

Por causa dessas características, tenho dificuldade de entender e, mais ainda, aceitar o à vontade de algumas pessoas em relação a responder email, convites, recados telefônicos ou email.

Sinto a não resposta como um ato de desconsideração quase beligerante. A não resposta, com frequência, é também uma arma de poder. Como se a pessoa que não responde a email, convite, recado estivesse dizendo: sou muito importante para responder a você.

Nessa vida, precisei de respostas de muitas pessoas. Até hoje luto contra minha tendência ansiosa de perguntar, me certificar dos caminhos, conferir as permissões.

Estou há 23 dias sem bicar o cigarro, hábito para o qual eu vinha voltando desde 2013. Comecei com um cigarro por mês, baixei para um de quinze em quinze dias, caí para um por semana, cheguei em novembro de 2016 fumando um por dia e passando 24 horas desesperada pela próxima dose.

Não estou orgulhosa desse feito. Dispenso felicitações. Adoro cigarro. Gosto do gosto, do cheiro, da sensação maravilhosa de concentração e relaxamento. Acho que o mundo era melhor quando todo mundo fumava. Acho que eu era um ser humano melhor quando fumava.

Tenho um combinado comigo mesma de que tudo que eu deveria ter aprendido entre os 15 e os 20 anos, quando aprendo aos 60 (e um) zero dez anos a menos na minha idade. O significado de Ticket to Hide e de Come Together dos Beatles. Relacionar Proud Mary com Ike e Tina Turner ao livro Ao longo do rio, de Francis Parkinson Keys.

Este romance norte-americano (e muitos outros que faziam parte das paixões literárias de minha mãe) povoou minha infância de personagens e situações. Um pouco como Friends e How I met your mother fazem com as novas gerações da minha família.

O que precisa fazer uma mulher para ser amada como Fabian amou Cresside D’Alvery? Ou para ser aceita e compreendida como Cresside foi por Vail D’Alvery? Modos e Sorte.

Aquela história poderia acontecer nos dias de hoje? Nunca. Porque hoje mulheres, homens, filhos, amigos, conhecidos, irmãos têm menos “modos”.

Sem contar que homens como Fabian não estão por aí dando mole.

Sorte e circunstâncias. Época faz parte das circunstâncias da vida. Amor é sorte.

Últimos textos
Arquivo