top of page

Super Hero Therapy


Andei lendo sobre “Super Hero Theraphy” por indicação de minha filha Julia @divorcioeparentalidade. Estou convencida de que o dia a dia, a saúde mental e a loucura giram muito em torno da interlocução e da narrativa.

Sou desesperada por interlocução, por isso fiz terapia a metade da minha vida adulta. Sou mais desesperada ainda por entender a narrativa e os heróis. Por toda a minha vida letrada e aprendi a ler com cinco anos.

Quem foram os meus heróis? Emília, de Monteiro Lobato, acima de tudo por ser “Independência ou Morte”. E Hércules. E Ulisses.

Com o segundo, eu sei, o buraco é mais embaixo. O herói grego era filho do adultério de Zeus, foi perseguido de forma implacável por Hera, a fiel do morro, quero dizer, a oficial do Olimpo. Como suele suceder com as defensoras dos amores legítimos – leia-se casamento monogâmico – numa relação entre essas e homens ou deuses infiéis, quem paga a conta é o filho da outra.

A minha simpatia por Hércules, porém, não era e não é apenas pela bastardia. É pela honra e excelência que ele representa. Quando Hera o enlouquecia – como no episódio onde ele mata a mulher, Metara, e os filhos – Hércules vai com os próprios pés até o Oráculo de Delfos e se submete ao castigo imposto. E o castigo são os 12 trabalhos a serviço da comunidade.

Vejam como nós demos para trás como humanidade. Hércules não queria apenas se livrar da culpa por seus crimes. Ele se livrava da culpa servindo aos outros. Resolvendo problemas alheios.

Ulisses para mim é um caso a parte. Porque ele tenta, durante anos, realizar sua missão junto com os outros. E só consegue realizar o seu desejo – voltar para casa – quando perde todos os seus companheiros.

Perde os companheiros porque todos, sem exceção se distraem ou o traem. Por preguiça, inveja, covardia ou ganância. Ele recupera seu reino e sua família dos canalhas de plantão. Sozinho. Porque só ele lutou e perseverou até o fim.

Stan Lee, da Marvel, disse que a pessoa que ajuda os outros porque isso deve ou precisa ser feito, porque é o correto a fazer, é, sem dúvida, um super herói de verdade.

Qual é o seu super herói de histórias contadas? Ou de carne e osso em de histórias vividas?

Vou fazer uma live sobre isso. Vou fazer uma live sobre isso. Para participar basta deixar aqui sua resposta https://www.soniarodrigues.com.br/single-post/super-hero-therapy

Últimos textos
Arquivo
bottom of page