Psicose

Quem me conhece sabe que eu não acredito que a realidade exista. Para mim, tudo são versões e todas as pessoas são personagens delas mesmas. Às vezes, o “elas mesmas” é um bom autor e a personagem é atraente. Às vezes, é um autor medíocre então temos que aturar pedaços incoerentes de uma personagem sem coesão. Triste. Os normais sempre me espantaram pelo medo ou repulsa que sentem dos psicótico. Ao mesmo tempo em que se esforçam para se considerarem (ou serem consideradas) malucos. Gênios incompreendidos. Transgressores. Vanguarda. Hoje em dia, o que mais me espanta é a confusão que as pessoas fazem entre realidade e ficção. Uma amiga me diz que jovens trabalhadoras estão indignadas com Gir

Infidelidade

Todas as vezes em que fui fiel a pessoas que não fizeram por merecer minha fidelidade me arrependi. Todas. Algumas pessoas merecem ser traídas. Ou deixadas de lado. Escrevi um livro, “Fronteiras” no qual uma filha vai para a cadeia de menores por fidelidade à mãe. Prefere ser vítima a ser dedo duro. Trair quem a gente ama é difícil, mas a fidelidade/lealdade aos que amamos não pode estar acima da nossa sobrevivência. E cadeia, apesar de não ter sido feita para cachorro, é uma das piores experiências inventadas por seres humanos contra seres humanos. Nunca entendi o que as pessoas, no Brasil, têm contra a traição. “Ah, traiu para não ser preso”. Lógico, quem quer ser preso? Decorrente do pr

Prisioneiros

Constatei, de novo, que o amor não é para amadores. Assistindo ao filme “Una”. A história é como se fosse uma “Lolita” britânica. Uma história menos intensa, menos cruel, afinal, o autor não é russo. Em mim, o que chamou a atenção é ser um filme a respeito do aprisionamento no amor. A pessoa ficar parada, trancada, aprisionada junto ao “eu amo você” ouvido um dia. A frase “Eu amo você” deveria ser proibida aos iniciantes e aos irresponsáveis. Os dois personagens do filme. Conheço de perto muitos aprisionados. Porque a frase que se desdobra em perguntas difíceis. Se me ama, porque me abandona? Se me ama, porque me maltrata? Se me ama, por que não satisfaz meu desejo? Se me ama, por qu

Royalties

Conheço um bocado de gente que vive de royalties de seu passado triste. “Eu poderia ser gentil, justo, correto, mas não me deram chances... sofri tanto que o mundo vai relevar e se não revelar, problema de quem é intolerante e incompreensivo comigo...” Durante anos, passei a mão na cabeça, como se diz, ou me compadeci ou lutei no lugar de sofredores. Relevei absurdos porque as pessoas não teriam culpa de serem abusivas, folgadas, grosseiras, ingratas ou injustas. Eu estava errada. Podem não ter culpa, mas que são responsáveis pelas consequências, são. Pretender escapar incólume de atitudes que ferem os outros, para mim, é sociopatia funcional. Quem faz isso, e eu conheço muita gente que fa

Assédio

O Brasil está mudando. Semana passada, li a declaração de Susllem Tonani no FB de minha amiga Cristiana Garcia. Hoje, li a reflexão de Rachel Nahom sobre assédio moral praticado por ex chefe mulher. Assédio, sexual ou moral, é para ser denunciado. Quando a gente não consegue denunciar, o melhor é esquecer. Quando possível. Porque uma das coisas mais difíceis da vida é se livrar das lembranças do assédio ao qual a gente não reagiu. O assédio conspurca seu alvo. Dependendo da personalidade ou do histórico da pessoa assediada, o assédio deprime. Eu precisei tomar remédio para sair da tristeza causada por um chefe que me assediou moralmente durante dois anos. E, depois de me demitir, ele, um h

Posts recentes
Arquivo

© 2015. Site desenvolvido por Agência e-Plan